Mas o homem não estava preocupado em ouvir o Professor Corujão. Estava inquieto e sempre afirmando que viajava numa missão muito importante. E implorava que o lhe tirassem as cordas, enquanto havia tempo.

    O Burro se adiantou e perguntou ao homem se ele era dos que agrediam, ou dos que se defendiam. O Homem se manteve calado, embora inquieto, sem responder ao Burro, que insistiu:

    – De que lado você vem ?

    A pergunta inquietou o homem. Uma face de medo que ele revelou inquietou o Professor Corujão, que ponderou:

    – Infelizmente existem coisas mínimas que você terá que nos esclarecer. E então você estará livre. Pode confiar...

    – Uma certa calma tomou conta da face do homem, que falou:

    – Não tenho lado nenhum. Não agrido, nem defendo. Pertenço ao Corpo de Paz. Só defendo uma coisa: a paz ! Somos contra o conflito entre os homens. Lutamos pela sobrevivência do homem no planeta, pois tememos a sua extinção...

    Então o Professor Corujão perguntou:

    – Mas a luta de vocês, pela paz, é uma luta ativa, ou vocês somente agem quando os homens, extenuados pelos conflitos, não encontram uma saída natural para uma trégua, a paz de que você nos fala ?

    O homem parecia desolado:

  -  Nós lutamos pela paz todos os dias das nossas vidas. Mas nem sempre conseguimos evitar as guerras....

                                               pag20.jpg (5894 bytes)