Luiz Nogueira Barros
   
   
 nogueirabarros35@gmail.com  
.
         
Luiz Nogueira Barros
   

_____________

. Principal

. Notícias

. Entrevistas

. Crônicas

. Contos

. Poesias

. Ensaios

. Fábula

. Teatro

. Fallas
  Provinciais

. Governadores
  da República

. Mensagens
  Presidenciais

. 2ª Grande
  Guerra

. In memoriam

_____________

. Maceió

. Manifesto dos
  Estudantes

. Sessão Solene
  de Instalação
  da Ufal

_____________

. Sobre o Autor

_____________

 
 



Visitantes:

contador de visitas

 

POESIAS




21/11/2009 - 18h36min

Réquien para Mayakovsky

( ou contra-poema do amor cativo )

Fonte: Luiz Nogueira Barros


E foi dessas colunas, num certo dia de flautas vertebradas,

Do poema "Flauta Vertebrada", de Mayakovsky,

que de tantos cantos entoarem sobre as dores do amor

que o crânio do poeta se elevou em taça

e vinho aspergiu em honra das amantes mortas,

para a tristeza das Silfides ,

ainda vagueando soturnos e noturnos cemitérios.

. E jamais daquelas outras, de Atlas –

- que sustentavam o mundo –

que entre os homens e mulheres

malgrados os triunfos e blasfêmias,

deitou raízes e floresceu o amor

nos bosques onde ninfas e fáunos

ouviam sons de flautas mágicas.

E foi que Deus,

temeroso de blasfêmias mas prudente,

fez do amor um cativeiro.

E fez do homem um Prometeu Acorrentado,

e fez da existência um penhasco sobre as águas,

e fez do calor de certos seios imprevistos

nos roteiros delirantes das paixões humanas,

fonte única do amor dos peregrinos dessa arte.

E disse:

- Carregarás o peso que te atormenta,

tal a leviandade com que pensaste e temeste

o verdadeiro e único amor !

E foi, também, e aí, que o poeta Maiakovski,

temente ao amor-único como fim último da existência,

blasfemo, insone, sem companhia na noite,

o peito ardendo tal o inferno

na noite fria de Nevski,

o pensamento incandescido,

pedindo a Deus ser amarrado à cauda de um cometa

para em seu giro se estraçalhar nos dentes das estrelas,

ou então ver na Via Láctea a forca merecida

onde Deus o esquartejasse,

que o grito primitivo saiu do fundo

de uma alma amargurada pelo medo

e pela negação de um Ser Supremo:

- Mas afasta, Deus, de minha vida,

a que me escolheste como a verdadeira amada !...






Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados