Luiz Nogueira Barros
   
   
 nogueirabarros35@gmail.com  
.
         
Luiz Nogueira Barros
   

_____________

. Principal

. Notícias

. Entrevistas

. Crônicas

. Contos

. Poesias

. Ensaios

. Fábula

. Teatro

. Fallas
  Provinciais

. Governadores
  da República

. Mensagens
  Presidenciais

. 2ª Grande
  Guerra

. In memoriam

_____________

. Maceió

. Manifesto dos
  Estudantes

. Sessão Solene
  de Instalação
  da Ufal

_____________

. Sobre o Autor

_____________

 
 



Visitantes:

contador de visitas

 

CRONICAS




02/10/2011 - 13h07min

SHOPPING: o Templo!

O deslumbramento...

Fonte: Luiz Nogueira Barros

Fui lá para ver um filme sobre Cristovão Colombo. Minha filha,Valéria, fez-me companhia. Ela me havia alertado se tratar, provavelmente, de algo imperdível. Tem sido assim: ela sempre me alerta. E por conta disso tenho visto filmes da melhor qualidade...
Num momento cruciante do filme Colombo, que não é um nobre, pergunta a um nobre o que ele vê através da janela. E ouve:

- Vejo torres, prédios e outras tantas coisas

E Colombo lhe responde:

- Coisas feitas por pessoas como eu. A diferença básica entre nós é que vocês jamais farão isso

O diálogo é profundo: mostra a diferença básica entre uma nobreza preguiçosa, gastadora de impostos e decadente, e o espírito empreendedor da burguesia em plena ascensão...
Saimos.Vi a pista de patinação no gelo. E fiquei a ver a multidão de moças e rapazes patinar com agilidade, semelhando delicadas aves. Riam. Cumprimentavam-se. E se algum derrapava ou caía, então um estrondoso murmúrio de vozes ecoava pelo salão. Olhei para Valéria e ri. Ela me disse:

- Um dia vou experimentar...

Encontrei com amigos da minha geração.Um deles me falou dos netos:

- Com três netinhos já gastei mais de quinhentos mil cruzeiros, só em brincadeiras

Ri e lhe disse que netos não nascem todos os dias. Ele também riu e me disse não estar reclamando. Que estava feliz. Mas ainda ensaiou um discurso contra o custo de vida. Mais adiante encontrei outro amigo, de bermuda e camisa cheia de flores semelhando um rapazinho dos dias de hoje. Cumprimentou-me fugazmente e se foi, galante, ágil, com os cabelos visivelmente pintados de preto, fazendo com que eu me sentisse um velho casarão mal assombrado...
Observei as lojas de roupas, calçados e jogos eletrônicos: literalmente lotadas. Olhei para a livraria: pouquíssimas pessoas. E pensei: "O shopping é um templo ao lazer e ao consumo. E sua mística é o sonho". A conclusão me assustou. Depois, mais calmo, lembrei-me de que, no passado, a minha também foi uma geração de sonhos. Era verdade, refleti, o tamanho e as condições do sonho haviam mudado. A minha havia sido uma geração da era mecânica, lenta e pouco resolutiva. E aquela,que eu via, era uma geração da era eletrônica, rápida e resolutiva...
Voltei a pensar no filme: uma apologia à capacidade empreendedora da burguesia. Colombo passa de explorador colonial a construtor de um Novo Mundo, castigando a nobreza, decadente, com pena de morte e trabalho físico. A mudança da figura de Colombo permite a comemoração dos quinhentos anos de descobrimento da América, com suas glórias e misérias, e quando na própria Europa a colonização é questionada...
Isabel, de Espanha, (movida pelas intrigas da Corte) havia dito para Colombo:

- Seu Novo Mundo é um desastre

E ele contrapôs:

- E o antigo é um sucesso?

Isabel entendeu Colombo, ao afirmar:

- Ele não me teme!

De fato, o espírito empreendedor da burguesia não temeu nem a Igreja nem a Monarquia. Em 1789, com a Revolução Francesa, a burguesia assumiu o poder de mando no mundo...até hoje.
O Shopping é um Novo Mundo,pós-colombiano, com as refinadas e modernas tentações que o consumismo pode oferecer. Colombo sabia o que fazia, e por isso está sendo absolvido pelos seus continuadores.
Luiz Nogueira é sçoio efetivo do IHGAL e AAL
Gazeta de Alagoas-12-12-92





Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados