Luiz Nogueira Barros
   
   
 nogueirabarros35@gmail.com  
.
         
Luiz Nogueira Barros
   

_____________

. Principal

. Notícias

. Entrevistas

. Crônicas

. Contos

. Poesias

. Ensaios

. Fábula

. Teatro

. Fallas
  Provinciais

. Governadores
  da República

. Mensagens
  Presidenciais

. 2ª Grande
  Guerra

. In memoriam

_____________

. Maceió

. Manifesto dos
  Estudantes

. Sessão Solene
  de Instalação
  da Ufal

_____________

. Sobre o Autor

_____________

 
 



Visitantes:

contador de visitas

 

NOTICIAS




26/05/2013 - 05h55min

Depoimento

Sobre situações vividas no período pós-1964

Fonte: Luiz Nogueira Barros

Dados para depoimento sobre situações vividas

1 – Prisão em 64: formado em dezembro de 1963. Eu havia parado as atividades estudantis por volta do segundo semestre de 63, em face da proximidade da formatura.
Havia um convênio entre o Estado e e a Fundação Nacional de Saúde Pública FSESTP. Fui designado para ser médico em Junqueiro.
2 – Numa das minhas vindas a Maceió, 31 de janeiro de 64, quando novamente me dirigia para Junqueiro, fui preso pela Polícia Civil e levado para a Penintenciária Estadual de Alagoas.
3 – Na Penintenciária encontrei várias personalidades do meu tempo: Etiene Pires de Carvalho, José Moura Rocha, Jayme de Miranda, José Alípio, Antonio Moreira, Rubem Colaço, Roland Benamour, entre os que mais me chamaram a atenção. Após algo em torno de 01 mês fui solto e fiquei respondendo a processo no âmbito estadual. Em seguida pedi demissão e fui trabalhar em Arapiraca,período curto. Logo depois entrei para a fundação SESP, e fui trabalhar em Penedo.
4 – Voltei para Maceió antes de 1973. No mês de setembro daquele ano fui, dia 14, outra vez, preso e levado para Recife e creio que em dependências militares, talvez do Exercito. Lá, todos eram estranhos, para mim. Por volta de 60 dias, fui solto e fiquei respondendo a processo militar.
5 – Fui para o Rio de Janeiro, sempre indo a Recife, para audiências. Finamlmente, absolvido, no processo, ali permaneci somente voltando a Maceió no segundo semestre de 1986, até hoje, aposentado, aos quase 78 anos.
6 – Portanto, quase nada de significaivo, de fato, presenciei durante o período mais duro do processo militar de 64
Anoto, aqui, fato interessante: Jayme de Miranda, quando da posse do General Castelo Branco, numa noite fez uma exposição sobre o marechal, a ele confiando o título de democrata, liberal, algo que lhe parecia vir a amenizar o processo repressivo, em face de o mesmo haver sido um dos vencedores da Segunda Grande Guerra, ao lado dos aliados. Saliente-se que Jayme ensinou a muitos da nossa geração a ler Shakespeare, mandando vir seus livros para a Penintenciária. Além do mais, ali, com Jayme, muitos se iniciaram no aprendizado do jogo de xadrez.
Obs: durante o encontro aceitei, foi gravado, falar sobre lembranças gerais de coisas que vi e confirmei. Ficou dito que receberei cópias com síntese sobre o encontro na qual assinarei concordando, ou fazendo correções...LNB





Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados